Variadas opções de investimento são grandes atrativos em bancos digitais

A tecnologia serviu como mudança para diversos pontos da sociedade moderna na forma de se comunicar, com os celulares, em meios de se manter informado, com a internet e até mesmo fornecer métodos mais fáceis e menos burocráticos de lidar com o seu dinheiro, graças aos bancos digitais.

Segundo um levantamento realizado pelo UBS Evidence Lab, em 2020, pela primeira vez, os bancos digitais superaram os bancos tradicionais em downloads. De acordo com a pesquisa, as instituições financeiras digitais tiveram 52% de interesse dos usuários, enquanto as tradicionais tiveram somente 48%.

Esse sucesso se deve às facilidades que o banco digital fornece para seus usuários, como a ausência de filas e da necessidade de ir até uma agência, transações digitais e as taxas, que costumam ser zeradas. Mas a mais importante de todas diz respeito aos rendimentos acima da média do mercado.

Somente esta última já apresenta um grande diferencial em face dos bancos mais tradicionais. Além dos altos rendimentos, oferece também uma gama mais variada de opções de investimentos, que as instituições financeiras comuns não fornecem.

Em contas digitais atreladas a corretoras de investimentos, é possível investir em moedas digitais, como o Bitcoin, fundos de investimentos, tesouro direto, ações e outras formas de deixar o seu dinheiro rendendo.

Mas apesar de todas essas qualidades, por que investir no banco digital, e não em uma instituição financeira consolidada no mercado financeiro nacional?

Os bancos digitais são regulamentados pelo Banco Central

Da mesma forma dos tradicionais, as instituições financeiras que funcionam 100% digitalmente são regulamentadas pelo Banco Central, até mesmo para deixar os processos mais seguros, organizando todos os serviços prestados de forma digital.

Existem regras para os bancos digitais funcionarem

Segundo a resolução 4.658, determinada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), as instituições financeiras precisam elaborar uma política de segurança cibernética, com definições de requisitos, para contratar serviços de armazenamento de dados, computação em nuvem e processamento, descentralizando a central de operações bancária.

Proteção de dados

Visando deixar os processos ainda mais seguros para os usuários, os bancos digitais utilizam protocolos de navegação mais seguros e informações criptografadas, visando evitar ataques de hackers que podem roubar dados comprometedores. 

Até mesmo os bancos tradicionais entraram na onda

Segundo dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), em 2021, cerca de 51% das transações bancárias atualmente são realizadas por celular. Esse número também é influenciado pelos bancos tradicionais, que lançaram aplicativos para facilitar o acesso dos usuários aos seus serviços.

A chegada do Pix

A chegada do Pix também ajudou na transição dos bancos tradicionais para a modalidade digital, justamente por causa da facilidade para o usuário transferir valores em qualquer data, independentemente do horário, de maneira imediata, ficando refém somente da velocidade da internet a qual está conectado.

A diminuição, ou até mesmo a inexistência, de taxas bancárias

Se você já teve conta em um banco tradicional, muito provavelmente já se deparou com alguma taxa inexplicável cobrada diretamente da sua conta, com valores até mesmo exorbitantes. Grande parte das instituições financeiras digitais não possui essas taxas, o que acaba sendo mais um ponto a favor delas.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo professor Joelson Sampaio, coordenador do curso de economia da FGV, os clientes dos bancos tradicionais gastam cerca de R$ 180,00 por ano com tarifas bancárias, provenientes de manutenção de conta, operações fora do pacote de serviços e outros motivos.

Facilidade para abertura

Diferentemente dos bancos tradicionais, abrir uma conta em um banco digital é extremamente simples, sendo necessário apenas alguns documentos disponíveis, o aplicativo baixado e um sinal estável de internet para conseguir realizar a abertura. Além disso, nem é necessário um depósito inicial, ou qualquer outra cobrança de taxa.

Depois de todas essas qualidades, como escolher o melhor investimento para colocar o seu dinheiro para render? Apresentamos a você as principais opções.

Renda fixa 

  • Tesouro Direto;
  • Poupança (o menos indicado, em questão de rentabilidade);
  • CDB, RDB, LC;
  • LCI, LCA;
  • Fundos de investimentos.

As opções citadas acima são somente algumas que a renda fixa pode oferecer. Com menos riscos, porém com rendimentos bem menores, esse tipo de investimento é interessante para quem quer um local para poder guardar o seu dinheiro, sem se preocupar com a desvalorização.

Fundos de investimentos

  • Fundos de investimentos de renda fixa;
  • Fundos de investimentos de renda variável;
  • Fundos de investimentos híbridos.

Os fundos de investimentos são uma espécie de carteira de investimentos, onde se aporta um valor para que uma instituição cuide do seu dinheiro, possibilitando que ele tenha um rendimento acima da média, sem que você precise se preocupar com as variações de mercado que podem vir a ocorrer.

Renda variável

  • Ações;
  • Criptomoedas;
  • Fundos imobiliários;
  • Fundos de investimentos de renda variável.

Em renda variável, é importante frisar que se trata de um tipo de investimento que está sujeito a muitas volatilidades do mercado financeiro. Portanto, é necessário ter muita responsabilidade ao realizar o aporte de qualquer valor, e nunca utilizar uma quantia que já esteja comprometida com alguma outra coisa.

A renda variável, apesar de muitos riscos, possui uma rentabilidade muito maior do que a renda fixa, e os aportes podem variar de acordo com a sua vontade e com o preço da ação no dia. Além da facilidade de ter um leque de possibilidades de investimento muito maior do que outros tipos de investimentos.