Consulta a parcelas retroativas do Auxílio Emergencial está libera

Desde quando foi lançado, o governo federal fornece orientações passo a passo para esclarecimentos de dúvidas sobre o auxílio emergencial. O benefício terminou em outubro do ano passado, mas milhões de brasileiros estão conferindo a ajuda para saber se ainda há algum valor a ser recebido, como o retroativo, pois os pagamentos foram feitos para determinado grupo em 13 de janeiro. .
Com algumas informações como CPF, nome completo, data de nascimento e nome da mãe dos beneficiários, é possível acessar os dados. Após o preenchimento do formulário, aparecerá uma tela com informações sobre todas as etapas do processo de sinistro no Dataprev.

Formas de fazer a consulta


Para facilitar ainda mais o atendimento ao cidadão, o órgão também desenvolveu um passo a passo para o cidadão entrar em contato os sites às informações.

A busca pode ser feita tanto pelo site www.cidadania.gov.br/consultaauxilio quanto pelo https://consultaauxilio.dataprev.gov.br. Os sites foram desenvolvidos para serem acessados ​​via computador ou dispositivos móveis como celulares ou tablets.

Auxílio Emergencial pode voltar em 2022?

Recentemente, o governo federal editou uma Medida provisória (MP), estendendo o auxílio emergencial com crédito suplementar de R$ 4 bilhões. Então, sim, o Auxílio Emergencial pode voltar em 2022! Porém, é preciso estar atento aos detalhes.

Em 24 de dezembro, Bolsonaro editou a Medida Provisória (MP) 1.084/21, abrindo um crédito especial no valor de cerca de R$ 4,1 bilhões em favor do Ministério da Cidadania. A medida visa cobrir custos e ampliar o auxílio emergencial, mas nem todos receberão benefícios desta vez.

Essa atualização é chamada de auxílio emergencial retroativo, porque é para famílias monoparentais. Estima-se que 1,3 milhão de famílias se beneficiarão de chefes de família do sexo masculino criando filhos sozinhos.

Isso acontece porque, diferentemente das mães, homens de famílias monoparentais não podem reivindicar cotas duplas nos pagamentos de 2020. Então agora eles terão direito a essa quantia como medida de direitos iguais.