Como fazer empréstimo pessoal no carnê ou boleto?

Você sabia que é possível fazer um empréstimo pessoal pelo carnê ou boleto? Algumas instituições já disponibilizam essa forma de pagamento, o que facilita a vida das pessoas que gostam de organizar as contas no modo físico, em papel, e aquelas que optam pelo pagamento em casas lotéricas.

Um dos requisitos para conseguir fazer um empréstimo pessoal, é que o contratante seja maior de idade ⸺ que tenha mais de 18 anos ⸺, ter um CPF regularizado e comprovante de renda.

Uma das restrições para a instituição não aprovar o método de pagamento em carnê ou boleto, é caso o seu CPF esteja com qualquer limitação, como negativado, por exemplo.

Onde consigo fazer meu empréstimo pessoal?

O empréstimo pessoal nada mais é do que um crédito emprestado para o contratante, que negocia o valor necessário e a forma de pagamento com a instituição financeira. Por isso, geralmente, ele é disponibilizado por bancos. Alguns dos bancos mais conhecidos por disponibilizar várias formas de empréstimos são a Caixa Econômica Federal, Itaú, Banco do Brasil, Santander e Bradesco.

Na maioria das vezes o empréstimo é feito de forma presencial, mas algumas instituições financeiras também possibilitam a solicitação de crédito através do formato online. Como nesse caso o contato é virtual, a contratação também segue esse padrão, e por isso, o contratante precisa enviar por foto ou escanear os documentos necessários, de forma que todos estejam legíveis e nítidos.

fazer empréstimo pessoal no carnê ou boleto

Qual a diferença entre o empréstimo por boleto e carnê?

Os dois empréstimos pessoais, tanto em boleto quanto carnê, funcionam da mesma forma, já que os pagamentos são feitos mensalmente, disponibilizando a visualização do valor das parcelas de uma única vez.

Porém, mesmo com o método de pagamento semelhante, as duas opções tem algumas diferenças entre si. A primeira é que caso haja perda, ou qualquer outra situação, da parcela com o pagamento por boleto, a opção de uma segunda via é mais simplificada que a do carnê, e não requer pagamento de nenhuma multa. A segunda diferença é que com o método do boleto, é possível escolher quitar o pagamento de algumas parcelas antes do prazo, conseguindo até um desconto por adiantar o pagamento.

Como é feito o pagamento?

O processo é bem simples, basta você solicitar o método do carnê ou boleto no momento da contratação do empréstimo pessoal. Nessa mesma hora, o contratante definirá junto com a instituição financeira a data de vencimento e a quantidade das parcelas.

Como o boleto e carnê não são pagos através do débito automático, é preciso que o contratante fique atento às datas de vencimento de cada parcela. Caso haja atraso no pagamento de uma ou mais parcelas, o contratante deverá pagar uma multa por cada dia de atraso, conforme a porcentagem combinada no contrato.

Esse método é seguro?

O método do boleto e carnê são seguros sim, mas o que é importante analisar antes é a instituição que você irá contratar. Da mesma forma que deve-se tomar cuidado ao escolher a instituição, também é preciso analisar as financeiras, para não cair em um golpe.

Anote a dica!

Para saber se alguma instituição é confiável, você pode seguir dois passos:

  1. Pesquise o nome ou CNPJ da empresa no site Reclame Aqui, e veja as notas, reclamações e comentários de clientes sobre a empresa e seu serviço.
  2. Também é possível conferir a reputação da empresa no Serasa eCred, já que no site todas as empresas passam por uma rigorosa avaliação para se tornarem parceiras.
  3. Desconfie sempre de instituições que divulgam taxas de juros muito baixas comparada a outras instituições.

Qual as vantagens e desvantagens do empréstimo em carnê e boleto?

O carnê e boleto são boas opções para aqueles que não têm cartão de crédito ou limite suficiente para o valor total. Outro ponto positivo, é que com eles, o contratante tem acesso desde o primeiro momento aos valores das parcelas, podendo assim, ter um controle financeiro maior, já que consegue visualizar com facilidades os dados do pagamento: o valor, o vencimento e quantas parcelas ainda faltam ser pagas.

O ponto negativo que se deve prestar atenção são os valores elevados dos juros, que podem ser maiores, já que a inadimplência pode ser maior. O segundo ponto negativo é que ao perder o carnê, o contratante pode ter que pagar uma multa e fazer o processo de solicitação para conseguir uma segunda via.

Quer saber mais sobre esses e outros assuntos? Acompanhe o Meu Banco Digital por aqui!