bitcoin-vs-dolar-e1653586984580

Bancos digitais e tradicionais decidem apostar de vez nas criptomoedas

A evolução da tecnologia tem mudado significativamente a forma com que a sociedade se desenvolve. Não é diferente quando o assunto envolve as finanças da população. Isso porque há alguns anos, as criptomoedas têm chamado muita atenção em todo mundo, principalmente depois do estrondoso retorno que o Bitcoin teve.

História do Bitcoin

Para quem não sabe, essa é considerada a primeira criptomoeda, e sua história é recheada de mistérios. Não é de conhecimento público, por exemplo, sobre quem teria a criado. A moeda surgiu em 31 de outubro de 2008. Na época, os criadores (ou criador) mandaram e-mail para uma lista de pessoas interessadas. Havia também um informativo com cada descrição do Bitcoin.

O white paper da moeda foi lançado pouco mais de um mês após a falência do Lehman Brothers, que chegou a ser o quarto maior banco de investimentos nos Estados Unidos. A partir daí, o Bitcoin se valorizou até 2013. O ano registrou alta de 5.952%. O ano seguinte teve um recuo de 61%. Mas, em 2017, a criptomoeda voltou a ter uma grande valorização, com mais de 1000%

Bitcoin no Brasil

É muito difícil estimar quando a criptomoeda mais famosa do mundo chegou ao Brasil. O que pode-se destacar é que o interesse sobre ela e o uso tem se expandido a cada dia entre a população brasileira. 

Nosso país ocupa a 17° posição de um ranking, com 27 países, em que se calcula qual a porcentagem de pessoas adultas que é detentora de algum criptoativo. Isso é o que aponta um Índice de Adoção de Criptomoedas Finder, que mede justamente a popularidade dessas moedas. 

Aqui, não podemos deixar de citar que muitos consideram as criptomoedas como fontes de reserva de seu valor. E, mesmo no Brasil, já é possível comprar suplementos alimentares, imóveis, roupas, acessórios, e muito mais.

Essa popularização faz com que os bancos possam definir novas estratégias, mirando pessoas que têm interesses em criptoativos. Diversos bancos, digitais ou não, já estão investindo em cripto como novo serviço de seus aplicativos. 

Relação entre bancos digitais e criptomoedas

Além disso, quais são os motivos que explicam o interesse dos bancos digitais em incluir, em seus serviços, as transações financeiras com criptomoedas? Bom, é preciso explicar que os bancos digitais e as criptomoedas foram criadas com o objetivo de preencher uma lacuna deixada por modelos financeiros mais tradicionais.

A tecnologia financeira, ou popularmente conhecida como fintech, surgiu com o propósito em entregar aos clientes bancários soluções que fossem mais práticas, rápidas e menos burocráticas. Houve, então, uma junção entre esses fatores com uma política de preço mais barata e 100% online. Essas características foram fundamentais para satisfazer as necessidades das pessoas. 

Já as criptomoedas foram criadas para ser uma opção ao sistema financeiro que foi centralizado por muitos anos, ao longo de várias gerações. Sendo assim, ela seria completamente livre de intermediários e independentes de bancos centrais ou de órgãos governamentais.

De forma prática, essa liberdade gera uma transformação e faz com que todas as regras sejam definidas por sua comunidade. Elas têm a transparência da tecnologia Blockchain, como um dos pontos de segurança desse processo e de todas as transações realizadas. De forma clara e resumida, é como se um ecossistema moderno de finanças fosse criado em que um é a base para completar o outro.

Principais vantagens das Criptomoedas

A cadeia de Blockchain é descentralizada, ou seja, não é controlada por ninguém em específico. Ela fica protegida por criptografias matemáticas e, justamente por isso, tem um risco mais baixo de sofrer alterações. Até a possibilidade de sofrer algum tipo de ataque hacker é menor. Certamente esse é um dos principais atrativos, em relação a segurança, que as fintechs oferecem.

Os investidores também passaram a ter um olhar diferente para as criptomoedas. Isso porque eles acabam sendo os donos das próprias moedas, fazendo com que não exista um banco com o dinheiro. 

Onde é possível utilizar criptomoeda?

Para quem viaja muito, principalmente para fora do Brasil, essa moeda digital criptografada pode ser uma boa saída para a conversão de dinheiro. Países como Japão, Austrália, Suíça e Holanda são totalmente adeptos a esse recurso financeiro. O ideal é que se saiba exatamente o que são as criptomoedas e quais os tipos para melhor te atender.

Outro bom exemplo envolve El Salvador. Em 7 de setembro de 2021, os governantes decidiram se tornar o primeiro país no mundo a ter o bitcoin como moeda oficial. Apesar disso, existem outros lugares que não estão dispostos a caminhar na mesma direção. É o caso da Arábia Saudita, Bolívia, Egito e Marrocos. Nesses países, as criptomoedas não são aceitas como forma de pagamento. Quem sabe as moedas digitais recebam incentivo dos governantes.